sexta-feira, dezembro 24, 2010

UNDP , IDSS e SKM recrutam para Timor Leste

Economics Specialist (MDGS)  Mid-level 

Apply By: 31 December 2010

Location :Dili, Timor Leste Dili, Timor Leste

Sanitation Advisor

Organization: IDSS Pty Ltd

Contract Length: 
Long-term consulting assignment

Apply by: 
03 January 2011

Reference No: 

The Timor-Leste Rural Water Supply and Sanitation Program (RWSSP), known by the Tetum acronym BESIK, is funded by the Government of Australia through AusAID. BESIK provides assistance to the Government and civil society organisations of the Democratic Republic of Timor-Leste for the development of rural water supply, sanitation and hygiene (RWASH) sector. The Managing Contractor for BESIK is IDSS, in partnership with GHD.
We are currently seeking a Sanitation Advisor to undertake a long term assignment based in Dili, Timor-Leste.  The position will provide support and advice for the overall coordination and implementation of sanitation interventions and collaboration among key stakeholders.
The Sanitation Advisor will require the following skills and experience:
·  An advanced degree in a relevant field; eg. Public Health, Civil or Public Health Engineering, Health Promotion, Environmental Health;
·  Experience working in the RWASH sector, with total sanitation programs and behaviour change communication initiatives such as CLTS and sanitation marketing;
·  Experience working with Government Administration; Experience working with and providing support to a national counterpart(s);
·  Experience in sanitation or public health programs. Experience of mainstreaming gender and working with disability is an advantage
·  Experience with supporting policy development, developing guidelines and reference materials;
·  Experience in networking and maintaining relationships across a range of stakeholders and of varying skill levels;
·  Demonstrated experience of working effectively with a team of international consultants; and
·  Excellent communication skills in a cross-cultural environment.

·  Advanced experience designing implementing scaled-up total sanitation programs
·  Experience in policy and planning and an understanding of budget and revenue systems in developing nations;
·  Proficiency in language other than English – particularly Tetun, Portuguese, Bahasa Indonesia;
·  Work experience in East Timor;
·  Experience working and delivering results in an AusAID-funded project.
To obtain a full terms of reference please go to our website at:  For any enquiries regarding the role please contact via email: Kerryn Clark, or Marc Kron, .
To apply for the position please address the required selection criteria and a current CV via our By 
3rd January 2011.


ICT Network Specialist - TIMOR LESTE

Sinclair Knight Merz
Apply By: 30 December 2010
Sinclair Knight Merz


Contract Length: 
Long-term consulting assignment

Apply by: 
30 December 2010

Reference No: 


Sinclair Knight Merz (SKM) is market leader in providing international development services in a broad range of sectors, including education, health, water/sanitation, environment, governance, infrastructure, transport and agriculture. Adding value through delivering excellent project outcomes is a core value at SKM. Our clients value our competence and our commitment to their vision.

The Government of Timor-Leste, the Transport and Communication Sector under the Ministry of Infrastructure (MoI) through National Connectivity Project (NCP) is in the process of providing a national data communications platform to provide a converged network of data services to all district capitals based on the implementation of a national data communication backbone of VSAT connectivity, with WiMAX providing the metropolitan area network (MAN) services, and last mile connectivity for government departments and government institutions.

In line with this, SKM is seeking now for an ICT Network Engineers Specialist

Duties and responsibilities for this position include:
  • installing, maintaining, trouble shooting for almost any ICT-related problem that arises and supporting computer communication networks within a government organisation or between organisations.
  • ensure the smooth operation of communication networks in order to provide maximum performance and availability for their users (staff, clients, other government institution, etc.).
  • work internally as part of an organisation’s DNICT support team or externally as part of an IT networking consultancy to other government institution.


  • Bachelor’s degree in computer science or information systems is preferred.

  • Requires 5+ years network engineering experience.
  • Thorough understanding of networking including routing, physical network layers, load balancing algorithms and protocols.
  • Must exhibit a fanatical customer service attitude.
  • Strong analytical abilities and professional office experience needed.
  • Strong attention to detail and problem solving skills.
  • Good communication and interpersonal skills.
  • Experience with multiple traffic management and load balancing.
  • Creative thinking and ability to ‘think outside the box’ is essential.
  • Certifications: MCSE, CCNA, CCNP, CCIE, CNE.
  • Systems: Windows, Cisco Systems, UNIX, Linux.
  • Networking: Switches, Routers, Hubs, Servers, Cables, Racks, Firewalls, LAN, WAN, TCP/IP, DNS, UDP, Latency, VoIP, QoS, EIGRP, BGP, OSPF, NHRP, ATM, PPP, MPLS.
  • Fluent in spoken and written Tetun or Bahasa Indonesia and English.

For submission of CVs, please click the apply button or email your CV to , clearly stating the job title and requisition number (TLIC0002 ) in the subject heading of the email.

All applicants are thanked for their interest, but only shortlisted candidates will be contacted

Promotor de negócios de cooperação, Madrid

Business Development Manager in the Development Cooperation Division

Apply By: 28 February 2011
 Organization(s): EPTISA

Contract Length: Full-time staff position
Reference No: 2011/1/1

Business Development Manager in International Cooperation

The candidate will be responsible for the commercial strategy of the Development Cooperation Division. This will involve the selection and preparation of development cooperation projects in different sectors, financed by international organisations (mainly by the EU). The geographical coverage will be: Latin America and ACP countries.
Economic Conditions: Competitive salary, negotiable according to experience.
Location: EPTISA Head Office in Madrid, Spain.
F   University degree.
F   Masters degrees, post-graduate courses and other relevant qualifications related to the subject of development cooperation are desirable.
F   At least 8 years of general professional experience is required.
F   At least 2 years of experience in similar posts in other Consultancy Firms working in the field of Development Cooperation.
F   Knowledge and experience in Technical Assistance projects in developing countries, mainly financed by the EU.
F   Experience and knowledge of Africa desirable.
Other necessary requisites are:
F   Professional interest in the sector and in business management
F   Availability to travel regularly is needed.
F   Languages: French, English and Spanish
Candidates interested in the post please send an up-to-date CV, specifying availability and contact details and , indicating RDNCD as the subject.
Only those candidates that are shortlisted will be contacted.

Especialista em alterações climáticas para Guiné-Bissau

Conseiller National Spécialiste Du Changement Climatique

UNDP - United Nations Development Program
Apply By: 31 December 2010
Country:   Guinea-Bissau

Consultor agrícola precisa-se para projecto de hortícolas em Moçambique

FAO seeks an agricultural consultant for mission in Mozambique: 

Terms of Reference 
Under the overall supervision of the FAO Representative and the technical supervision of the Lead Technical Unit (AGPM), the consultant will undertake the following activities:
 Desk work (3 days)
·        Prepare a detailed outline of a master plan for the development of the vegetable industry and of a national investment plan and specify the information that is required for national consultants to obtain, and submit them to FAO for review and clearance
·        Make a preliminary plan of activities for all consultants work and the whole project, and submit them to FAO for review and clearance.
 Field mission (45 days in one mission)
·        Consolidate all the inputs received from national consultants and:
o       prepare a draft master plan for the development of the vegetable industry
o       formulate a draft national investment plan for the development of the vegetable industry
·        Prepare a draft document for a technical assistance project to accompany the implementation of the investment plan, following a format to be agreed subsequently
·        Discuss the master plan and national investment plan with selected stakeholders from the public and private sectors
·        Participate in a national stakeholder workshop for the review and validation of the national investment plan
·        Finalize the master and investment proposal plans
·        Review and finalize the technical assistance project document
·        Prepare a short report of activities
Contact:, Prof Monteiro

domingo, dezembro 12, 2010

Balança Comercial agrava-se em 2010 apesar de melhorias na taxa de cobertura

Para quem gosta de ver os números e ter uma visão de conjunto, vale a pena ver o quadro de exportações e importações do INE.

As exportações aumentaram a um bom ritmo de 15% nos 10 meses de Jan-Out 2010, versus o periodo homólogo de 2009,  mas as importações que são  bastante maiores,  continuam a aumentar a ritmo acelerado de 10%.   Assim,   o saldo da balança comercial X-M agravou-se de -16.026 milhões de euros para -16.279 milhões de de euros.  Isto implica um maior recurso ao endividamento externo, com impacto negativo no rating da República. 

A taxa de cobertura X/M   geral de melhorou 62.2% para 65,1%.  

A taxa de  também melhorou dentro do Mercado Único da  União Europeia, mas continua apenas em 61,8% na Eurozone, onde continua a causar tensões "cambiais" com a Moeda Única.  .  A Eurozone continua a representar cerca de dois terços do nosso comércio externo.  Entretanto, a  taxa de cobertura X/M com países terceiros desceu para 64,8%, o que só pode ser má notícia.

Os valores para os 12 meses de 2010 continuam preocupantes com o alargamento do défice comercial em €414 milhões. 
Comércio Int'l                         

Total                                  2009                   2010                  Variação

Exportações            31.768                36.769   15,7%

Importações           51.368               56.783   10,5%

  -        19.600 -           20.014   2,1%

Cobertura X/M 61,8% 64,8%  


Exportações           23.964                27.562   15,0%

Importações            40.365                42.934   6,4%

  -        16.401  -           15.372   8,6%

 Cobertura X/M 59,4% 64,2%  


Exportações             7.804                  9.206   8,6%

Importações            11.003                13.848   -8,6%

  -           3.199 -             4.642   17,3%

 Cobertura X/M 70,9% 66,5%  
A venda de automóveis, maioritariamente importados, aumentou 38,8% em 2010 em Portugal, o segundo maior aumento na Europa a seguir à Irlanda.

Ver Informação Estatística do Banco de Portugal sobre a Balança de Pagamentos aqui 

Entretanto a balança comercial da Alemanha está boa e recomenda-se.

Fonte:  INE; BdP 

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Agência das PPPs e a sustentabilidade orçamental - 2

A intenção de criar uma Agência para a gestão das PPPs na dependência do Ministério das Finanças é uma medida imprescindível para melhorar a gestão orçamental e que peca sobretudo por tardia.

Sabemos que Portugal continua a ser um dos países que mais tem recorrido a contratos de concessão e outros tipos de parcerias público-privadas. O que alguns talvez não saibam é que os encargos com as PPPs e e com as empresas públicas fazem parte da nossa “bolha submersa”, o iceberg crescente da dívida indirecta do Estado. O recurso excessivo a PPPs criou um problema com esta forma de contratação do investimento público e até obrigou alguns bancos portugueses a financiar integralmente alguns contratos, quando outros bancos já se haviam retirado do mercado. 

É importante perceber porque é que os passivos das concessionárias e das outras operadoras dos serviços públicos fazem parte da dívida indirecta do Estado: Porque os serviços públicos não podem fechar, porque as infra-estruturas são do domínio público, porque os activos revertem para o Estado no termo da concessão, com o respectivo passivo. 

Sabemos também que Portugal é dos países com menos capacidade institucional para gerir os 116 contratos de PPPs existentes, que tem que ser feito com rigor, desde a selecção de projectos e a preparação dos concursos até às renegociações e reversões finais.  Basta comparar o que se divulga em Portugal com o que se faz em alguns estados do Brasil.  A Parpública, que foi mandatada para acompanhar a contratação das PPPs no seguimento do Decreto-Lei 86/2003 de 26 de Abril, acumulou bastante experiência mas acabou por ser afastada das subconcessões onde se vieram a concentrar os maiores encargos e riscos para o Concedente
Temos que admitir que a gestão dos contratos de PPPs em Portugal tem sido desarticulada e deficiente e que isso tem contribuído significativamente para a actual crise de endividamento externo.

Mas não basta criar uma Agência de PPPs para regularizar a governação e gestão do programa de PPPs. É essencial acabar com o desgoverno e desorçamentação das PPPs.  Por isso a Agência de PPPs deveria ser um organismo da Administração Pública, nos moldes do IGCP que faz a gestão da divida publica directa, e não uma empresa publica, que seria imediatamente conotada com mais desorçamentação.

Adicionalmente, as PPPs devem ser estritamente cabimentadas e enquadradas nos encargos assumidos anualmente, conforme manda a Lei de Enquadramento Orçamental, e nos encargos orçamentais plurianuais conforme mandam os princípios de boa gestão financeira e de transparência.

Uma Agência de PPPs central, sediada no Ministério das Finanças deverá ter capacidades executivas para gerir os aspectos financeiros de todos os contratos de concessão e de parcerias público-privadas.  Uma equipa profissional, isenta, com um mandato e objectivos claros pode apostar na curva de experiência e na continuidade, ao longo de todas as fases do contrato.  Enquanto a contratação é feita sob grande escrutínio, os maiores encargos para o Estado-Concedente surgem frequentemente na renegociações feitas em regime de “ajuste directo”, isto é sem o beneficio de concorrência.  A Agência Central de PPPs poderá também articular-se e promover as melhores praticas nas unidades de PPPs sectoriais, que deverão também ter as capacidades necessárias para ser um verdadeiro Concedente do serviço público a cargo de cada ministério. 

Não há que ter medo de uma gestão centralizada e rigorosa dos contratos de concessão e de PPPs.  Os contribuintes, e os seus filhos e netos, agradecem.
Mariana ABRANTES de Sousa 

Ver também:  PPPs, problema ou solução? 
Encargos extra-orçamentais do Programa de Transportes 
Agência das PPPs e a sustentabilidade orçamental - 1 

sexta-feira, dezembro 03, 2010

4º Encontro “Administração Pública, Factor de Desenvolvimento Económico”

O Instituto Nacional de Administração organiza o 4º Encontro “Administração Pública, Factor de Desenvolvimento Económico”,
Data: 13 de Dezembro 2010
Local:  Grande Auditório, CCB, Lisboa
Organização:   INA
Os objectivos principais do Encontro são perspectivar cenários de evolução da economia portuguesa, enquadrada no contexto europeu, revisitar a qualificação dos Portugueses, discutir a coesão social e apresentar projectos reconhecidos como boas práticas já em curso na Administração Pública portuguesa.
A inscrição é gratuita mas obrigatória. Veja o programa e faça a inscrição on-line

terça-feira, novembro 30, 2010

Agência das PPPs e sustentabilidade orçamental - 1

"Vai chamar-se  Agência para o Investimento Público e Parcerias e, segundo o decreto-lei que está a ser ultimado, funcionará como uma entidade de coordenação, agregando os projectos que estão a ser desenvolvidos e geridos por cada um dos ministérios."

É importante que a nova agência das PPPs  seja um organismo da Administração Pública, consolidada com a Administração Central para efeitos de contabilidade nacional e orçamental, e não uma mera empresa pública, EPE ou SA,  que possa ser conotada com praticas de desorçamentação.  Só assim se pode combater a  desorçamentação e garantir a transparência da gestão dos contratos de PPPs da parte do Concedente. 

A criação de uma agência das PPPs, como a mulher de Cesar, deverá cumprir dois objectivos: 
 1. Melhorar a gestão dos contratos de PPPs 
 2. Melhorar a transparência e a credibilidade da gestão dos contratos de PPPs

O segundo objectivo só se consegue se se tratar de uma Direcção Geral ou um  Instituto Público controlado directamente pelo Ministério das Finanças, tal como o IGCP, que é responsável pela gestão da dívida pública. Apesar de ser um dos países que mais recorre a contratos de concessão, Portugal é um dos poucos países que não tem uma verdadeira agência central de PPPs, nem sequer uma agência sectorial para o sector dos transportes.  

A crise de endividamento em Portugal tem tido muito a ver com a desorçamentação de despesa e de encargos assumidos, devido ao recurso excessivo  a  empresas públicas, EPE, SA, SEE, a contratos de concessão, a contratos de subconcessão e a outros tipos de parcerias e PPPs, praticamento avulso, sem as restrições parcelares ou globais previstas na lei.  Seria de evitar fazer mais do mesmo se se pretende uma medida de verdadeira contenção e rigor. 

Um estudo de Stanford University, de Agosto 2008, classifica as unidades de PPP em três tipos, segundo os seus objectivos e actividades:

a)    Unidades de revisão, fiscalização e acompanhamento dos contratos de PPP, ligados a organismos de controlo e auditoria internos ou externos  

b)    Agências de PPPs integrais (full service) com poderes mais ou menos executivos, e funções de regulação e/ou assessoria, mais ou menos responsáveis pelos impactos orçamentais dos contractos de  PPPs e ligados ao  Ministério das Finanças, e/ou aos Ministérios da Tutela sectorial.  

c)     Centros de excelência, de formação e de divulgação de boas práticas sobre PPPs, de cariz independente, académica e/ou associativa

No que se refere à fiscalização dos contratos de PPPs, o Tribunal de Contas tem feito e publicado auditorias externas importantes que ajudam a desvendar a opacidade e a criar alguma transparência. A IGF também tem feito algumas  internas com pouco impacto, mas por exemplo, a IGOPTC,  mantém-se cuidadosamente a leste dos contratos de concessão de obras e serviços públicos de acessibilidades e transportes que representam uma parcela cada vez maior dos encargos orçamentais e extra-orçamentais co o Programa de Transportes. Mas nenhum organismo tem fiscalizado a aplicação do art. 31 da Lei de Enquadramento Orçamental no que toca a parcerias público-privadas.  

Ao contrário do que é dito nesse levantamento feito pelos investigadores de Standford University, a unidade de PPPs da Parpública, SA criada no seguimento do DL 86/2003, nunca teve responsabilidade nem autoridade sobre  todos os contratos de concessão e PPP em Portugal, nem em termos do âmbito sectorial, nem em termos dos 20-30 anos de duração dos contratos.  Efectivamente, a equipa de PPP da Parpública, SA tem participado em funções de mera assessoria em algumas comissões CAP de análise de propostas e de (re)negociação, e tem sido afastada de outras, nomeadamente das subconcessões.  Falta também uma unidade sectorial de PPPs nos transportes, e as Parcerias da Saúde dependem fortemente de consultores externos.  Em geral, o Concedente falha seriamente na gestão da “curva de aprendizagem” essencial para a boa gestão destes contratos ultra-complexos 

Na prática,  Portugal não tem nenhum organismo da Administração Pública que tenha responsabilidade e controlo global sobre a acumulação e sustentabilidade dos encargos orçamentais e extra-orçamentais com contratos de concessão de subconcessão de obras e/ou serviços públicos, que fazem parte da dívida pública indirecta crescente. Isto pode-se contrastar com a missão precisa do  IGCP que é responsável pela gestão da divida directa.

No que se refere aos centros de excelência e boas práticas de gestão de contratos de PPPs, foi criado em 2009 o Observatório de PPPs  na UCP, financiado sobretudo pelas empresas concesssionárias, cujo contributo se tem concentrado no levantamento dos mais de 100 contratos de concessão e subconcessão.  

Se há tantos modelos de Agências de PPPs, qual seria o modelo mais recomendável para Portugal em tempo de crise de endividamento? 

Obviamente que Portugal necessita de demonstrar a intenção e a eficácia no controlo de gestão dos contratos de PPPs, quer aos contribuintes quer às agencias de rating e os investidores, neste contexto de crise e escrutínio cada vez mais critico.  Portanto Portugal deveria criar um organismo forte, um "Concedente" centralizado no Ministério das Finanças, bem apetrechado com todas as ferramentas necessárias para garantir o Value for Money e a sustentabilidade das concessões e subconcessões de serviços públicos, desde a as fases de preparação e contratação até ao final dos contratos, a fim de  minimizar os erros e os" riscos de performance do Concedente". Uma Agência de PPPs que fique aquém disto não terá o efeito desejado, de contribuir definitivamente para a credibilidade da gestão orçamental portuguesa. 
Mariana Abrantes de Sousa
 Governance of PPP Units in

Report on European Development Finance Institutions

The Growing Role of DFIs in International Development Policy

As contribution to the discussion about the bilateral DFI's involvement in private sector development, the EDFI members have in July 2010 launched a new consultancy report as a follow-up to the report of the Nordic DFIs, published in Stockholm in October 2009. The new report covers the activities of all 15 EDFI members, including SOFID, Sociedade para o Financiamento do Desenvolvimento,  Portugal      

A SOFID integra a Associação das EDFI – European Development Financial Institutions – e , nessa qualidade, é interlocutor privilegiado junto das diversas Instituições da Comissão Europeia e dos fundos por elas disponibilizados, além de lhe ser proporcionado participar quer em operações conjuntas com as outras EDFI, quer na concepção, acesso e gestão dos apoios comunitários dirigidos aos países ACP.

The Euro Stability Pact, the Single Currency and the Single Market

  1. As a rule, countries don’t have “liquidity problems” unless they have “balance of payments problems” left to fester, ignored and unattended. And countries don’t have persistent “balance of payments problems” unless they have underlying structural trade problems, X-M competitiveness issues, papered over by free flowing credit, usually from the surplus countries themselves, directly, or through hapless third-party fund recyclers. 
  2. The current problems within the “Single Currency” are rooted squarely in the “Single Market”, which exposed small fragile economies to the full competitive prowess with larger export-intensive economies, and permitted the accumulation of enormous credit-based (bilateral) trade deficits.  The 10-year accumulated bilateral trade deficit Portugal-Germany accounts for nearly 20% of Portugal's external debt.  If you are continuing to export on credit, it should come as no surprise when your customers are unable to pay.  
  3. Saving the EURO as the Single Currency will certainly require rebalancing the Single Market and the intra-Eurozone trade and capital flows. 
  4. The current bond market flux is evidence of the adjustment difficulty of finding some sustainable mid-point between 100% convergence, all Eurozone debt is low-risk, and 100% divergence, that is each Eurozone country can be picked off one at time.

    The answer will fall somewhere in between.

    Thus, financial markets are likely to remain volatile, until the EU resolves the underlying balance of payments problems of the unbalanced “Single Market”, not just the symptomatic stresses within the “Single Currency”.  Among other things this means protecting domestic retail depositors in the deficit countries rather than cross-border professional investors in the surplus countries, who are, even   now, enjoying the benefits of moral hazard.  
  5. If the existing international cross-border investors have made pricing mistakes in financing some of the borrowers in the past, they can surely expect to take losses.  
  6. The mistake of the proposed Euro Stabillity Mechanism may be to apply the threat of losses to New Money , issued from 2013 on, contrary to the usual practices of corporate and national debt restructurings.

    In a debt workout situtation, the "haircut" normally applies to existing debt, (those were the creditors who made the mistake of lending too much), while the New Money Debt should be highly conditional in terms of measures but generally  favoured  and senior to the existing debt.

    That's the way I remember it anyway, from the Latin American Debt Crisis of the 1980's, when large international banks recycled petro-dollars from the OPEC oil-exporting surplus countries to the net-importers in Latin America. 
  7. Reportppplusofonia | November 29 2:04pm | Permalink